quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Humor Psi: Personal Psych



Em 2007, no último ano da faculdade, escrevi alguns textos cômicos sobre a Psicologia e os Psicólogos para o Jornal do Centro Acadêmico do curso. Segue o primeiro deles.

Tendo em vista a multiplicidade de áreas de atuação do psicólogo (clínica, escolar, organizacional, jurídica, etc.), lanço mais uma possibilidade, inacreditavelmente inédita: a atuação “personal”. Imaginem esta cena: você chega em casa cansado, levemente estressado, precisando de alguém para conversar (na verdade, para lhe escutar). Você então abre seu guarda-roupa e tchanam: eis que surge seu personal psych! Com sua escuta diferenciada ele ouve atentamente seus problemas, suas frustrações, seus desejos, interpreta seus sonhos, seus atos falhos, questiona sobre sua infância, sobre sua mãe... Aliviado, você fecha a porta do guarda-roupa, toma aquele banhozinho gostoso, veste aquele pijaminha cheiroso e dorme. Feliz, completamente feliz. Não seria uma maravilha?

Agora imaginem outra cena: você chega em casa cansado, levemente estressado, você quer muito dormir, mas seu quarto está uma bagunça e isto lhe incomoda. Você liga então para sua namorada e desabafa sobre seu problema. Ela, mau-humorada como sempre, fala algo do tipo: “E eu com isto?”. Você desliga o telefone mais frustrado do que quando ligou. Neste momento lhe ocorre uma idéia: ligar para a ABPP (Associação Brasileira dos Personal Psychs). Você liga e a secretária lhe informa que, dentro de 2 dias um PP do tipo O (organizacional) estará chegando em sua residência. Você reclama do valor do frete, mas acaba aceitando. Dois dias depois, o interfone toca. Você atende. É ele, é ele! Você não consegue esconder sua ansiedade. Você abre a porta e tchanam: eis que surge seu personal psych! Agora você tem certeza de que sua vida vai mudar.  

A primeira coisa que ele faz (antes mesmo de lhe cumprimentar) é analisar o ambiente onde você está inserido: observa atentamente todos os detalhes de sua casa, todas as coisas fora do lugar, todos os cantos empoeirados, todos os CDs desordenados. Decide então implantar o Programa 5S de Qualidade. Descarte, organização, limpeza, saúde e autodisciplina. Tudo o que você precisa! Implantado o PQ (programa de qualidade), o PP lhe aplica uma PC (pesquisa de clima) e descobre, após analisar exaustivamente os dados quantitativos, que você tem problemas de relacionamento interpessoal. Ele, então, pela primeira vez, lhe dirige a palavra perguntando: “Como vai?”, e você responde que tem brigado muito com sua namorada. Identificada a variável interveniente, ele decide inseri-la em um PDV (programa de demissão voluntária) mas, como a variável não quis colaborar, o PP inicia então um processo OP (out-placement), demitindo-a por conta própria e encaminhando-a para a PQP. Recolocada a antiga colaboradora, o PP decide iniciar um processo de recrutamento de candidatas à vaga, agora em aberto. 

A partir dos anúncios em jornais e sites de namoro, aparecem cerca de 20 candidatas. Destas 5 são imediatamente descartadas por não se encaixarem no perfil mínimo exigido pelo cliente (você!). As demais candidatas passam por um rigoroso processo seletivo constituído por uma bateria de testes psicológicos (BAI, BDI, Escala de Neuroticismo, Escala Kinsey, etc), entrevistas e dinâmicas de grupo. Ao final 3 são selecionadas e apresentadas ao cliente (você! você!). A escolhida passa, então, por um longo programa de T&D (treinamento e desenvolvimento) sobre sua vida, seus defeitos, suas manias e chatices. E a cada dois meses uma AD (avaliação de desempenho) e uma PC (pesquisa de clima) são aplicados e rigorosamente analisados para averiguar a qualidade (inclusive sexual) do seu relacionamento e da sua vida. Isto para não falar nas auditorias semanais do Programa 5S. Mas nada disto lhe incomoda. Agora sim você pode falar que sua vida está perfeita. Você está tão feliz, mas tão feliz, mas tão feliz, que pensa “Como eu vivi sem meu Personal Psych?”. Adquira já o seu*.

* Além do tipo C (clínico) e do tipo O (organizacional), existem PPs do tipo EE (escolar e educacional). Isto sem falar nos modelos especiais: E (esporte), J (jurídico), T (transito) e M (misto). Para os menos abastados, versões genéricas podem ser adquiridas. Mas, cuidado! Modelos falsificados estão sendo vendidos no mercado como originais. Os efeitos colaterais são fortíssimos.





OBS: No próximo artigo discutirei uma possibilidade ainda mais recente e inovadora: a psicologia botânica. Planta também sofre, também ama, também se sente paralisada diante das adversidades da vida. Não podemos nos esquivar de tal problema.
Comentários
1 Comentários

Um comentário:

Maria Inês disse...

Muito bom. Ri muito.