segunda-feira, 2 de julho de 2012

South Park e a "cura gay"



Georges Canguilhem, em seu clássico livro "O normal e o patológico", alertava para o duplo sentido da palavra "normal". Ao mesmo tempo que aponta para aquilo que é comum e habitual, indica o estado ideal. Ou seja, aponta tanto para aquilo que "é" quanto para aquilo que "deve ser". Por exemplo: falar em uma orientação sexual normal significa dizer que a heterossexualidade é normal porque é mais comum e/ou que é normal porque é assim que deve ser. Os militantes da "cura gay" tendem a se utilizar das duas concepções indiscriminadamente, especialmente da segunda. Afirmam que a homossexualidade é um pecado ou uma doença porque foge a uma espécie de "design divino", afinal deus criou o homem e a mulher para procriarem. Se não há procriação não há casamento e logo, não há família. Está lá na Bília, dizem. No entanto, os homossexuais existem. Mas como podem existir se vão contra os designos de deus? Seriam uma espécie de erro de deus? Mas ele não é onisciente e onipotente, como poderia cometer um erro tão "grave" como este?


Assisti outro dia uma episódio do South Park (meu seriado favorito!), intitulado "Cartman sucks", que dá uma ótima resposta para estas questões. Quem quiser assistir, legendado, clique aqui. Neste episódio, o sacana Eric resolve zoar o inocente Butters, vendando seus olhos e colocando o pênis em sua boca para tirar uma foto e mostrar para todo o colégio. Neste momento, o pai de Butters entra no quarto e vê a cena, ficando assustado. Eric sai e Butters, sem entender nada do que está acontecendo, é taxado de bi-curioso por seu pai, que recorre a um padre para lhe ajudar. O padre pergunta a Butters se ele se sente confuso e este afirma estar realmente muito confuso - mas por não saber o que está fazendo ali. Diante desta resposta, o padre lhe envia para um acampamento religioso, chamado New Grace, para curar sua bi-curiosidade. 


Chegando lá, seu pai o deixa com os responsáveis. Um deles lhe diz: "Seu filho só precisa aprender a se endireitar se quiser". Ou seja, a bi-curiosidade é entendida como uma escolha, passível de ser corrigida voluntariamente. Um dos responsáveis leva, então, Butters para o quarto onde ficará com seu monitor, Ryan. Sobre este é dito: "Ryan achou que nunca poderia mudar, mas agora está aprendendo que com o poder de Cristo e das preces, ele pode ter uma nova vida". Entrando no quarto, descobrem que o garoto acabara de se enforcar. Mas não só ele, durante todo o episódio, vários garotos se matam (como ocorreu, na vida real, com o matemático Alan Turing - saiba mais aqui). Arranjam então outro monitor para Butters, o Bladley, um garoto que declama versículos bíblicos obsessivamente durante todo o tempo, de uma forma um tanto quanto mecânica. 


Em uma palestra para os internos, o pastor Philips, um "ex-gay" super-afeminado, diz o seguinte: "Sim, acreditando ou não, eu tinha desejos impuros e, como muitos de vocês, achei que era assim mesmo, que não tinha escolha. Mas daí eu percebi que Deus não queria que eu fosse assim. Deus queria que eu fosse homem. Então eu apertei o cinto da minha roupinha e orei pra ser normal e adivinhem: deu certo!". Nesta frase fica explícito duas "técnicas" utilizadas no tratamento da bi-curiosidade: a "abstinência" e a oração. Na cena seguinte, outra estratégia se evidencia: o evitamento de estímulos visuais. Uma foto de propaganda de cuecas é encontrada no quarto do Bladley e, tanto ele quando Butters, são punidos. Durante a realização da tarefa punitiva, copiar a Bíblia por 4 dias, Bradley confessa à Butters que ainda se sente confuso e demonstra um certo interesse por ele, interesse este interrompido bruscamente por sentimentos de culpa. "Pensamentos ruins! Pensamentos ruins!", diz Bradley. O desespero toma conta dele: "Oh Deus! Não temos conserto. Não percebe que somos causas perdidas. Somos perversos e nada pode nos mudar! Não tem saída, Butters, temos que nos suicidar". 


Desesperado, Bradley corre para a ponte e ameaça pular. Um dos responsáveis pelo acampamento implora para que ele não faça isso, ao que ele afirma: "Afaste-se! Sou uma abominação de Deus. Não sou normal nem nunca serei". Butters intervém, retrucando que ele é normal sim. O responsável discorda, falando que ele é tão confuso quanto Bradley. Butters então, numa fala final absolutamente brilhante, afirma:

“Estou cansado de todos falarem que eu sou confuso. Eu não era confuso antes que outros começassem a dizer que eu era. Quer saber o que eu acho? Acho que talvez os confusos sejam vocês. Eu não vou mais ficar confuso só porque vocês dizem que eu deveria estar! Meu nome é Butters, tenho oito anos de idade, sou sangue O positivo e sou bi-curioso! E está tudo bem! Porque se eu sou bi-curioso, e sou de alguma forma feito por Deus, então eu acho que Deus deve ser um pouquinho bi-curioso também!”

O que será que os partidários da "cura gay" teriam a dizer sobre isto?



Comentários
5 Comentários

5 comentários:

Carina disse...

Otimo blog. Conheça o meu também e, se te interessar, siga-o http://umrelicariodeideias.blogspot.com.br/
Abraços

Ricardo... disse...

psicologia tomista http://www.youtube.com/watch?v=7zOToxFj5fE

Hígor disse...

South Park é Nietzsche nas veia!!!! Críticas ácidas, sem escrúpulos e super inteligentes. Adoro esse desenho!

Unknown disse...

Eu quis apenas dar uma like no seu comentário, mas na falta dessa opção, comento aqui...
Estou rindo até agora de um episódio que assisti ontem, da imagem eleita pra "deus"
realmente, são as melhores e mais inteligentes críticas q vejo no meio do entretenimento.
Curioso, ainda, q lendo a narrativa do episódio da bi-curiosidade, neste blog, a história se mostra extremamente dramática, mas eu me lembro q ri mt qdo assisti tal episódio. O que quero dizer é que, retirado o humor, vê-se
a tratativa de temas pesados. Esse desenho tem o dom de conseguir contar de forma ilária, tecendo criticas contundentes, das maiores crueldades geradas pela estupidez e ignorância nesses tempos!
abraço

Detona Gamerscom disse...

Adorei esse episódio :D
Queria procurar o nome pra passar para um amigo gay que é meio depre :/