terça-feira, 3 de março de 2009

A absurda anuidade do CFP



Não quero simplesmente polemizar, mas uma coisa me intriga bastante: para onde vai o dinheiro (cerca de R$300,00 este ano, ou melhor 1/5 do meu salário) que pago ao Conselho Federal de Psicologia? Fui pesquisar e descobri. Segundo a Resolução CFP n°20/2008, que estabelece a previsão orçamentária do CFP para o ano de 2009, as receitas e gastos para 2009 serão os seguintes:



Em outra resolução, mais especificamente na 19/2008, é estabelecido o plano orçamentário para os Conselhos Regionais - CRPs. Só para pegar um exemplo, o CRP-04, ao qual estou vinculado, receberá e gastará o seguinte em 2009:


A receita total de todos os CRPs é de exatamente R$13.533.096,21 que, somados aos R$18.894.399,56 do CFP, totalizam R$32.427.495,77 em receita e gasto para o ano de 2009. É MUITA GRANA!!! Certamente a mantutenção dos espaços físicos, bem como dos recursos materiais e humanos do CFP e CRPs é muito cara, mas não será possível economizar um pouco e poupar os psicólogos desta anuidade absurda? R$300,00 pode parecer pouco (em comparação, por exemplo, com os médicos que pagam de acordo com o que ganham, seguindo a estranha tabela abaixo, mas que ganham em média bem mais que nós), mas para uma categoria formada em grande parte de profissionais liberais (sem salário fixo), sem piso salarial e carga horária definidos até hoje (cadê o CFP cobrando sua regulamentação?) e que ganham salários algumas vezes miseráveis, não é DEFINITIVAMENTE pouco!


Fonte: Resolução CFM n° 1884/2008
Comentários
1 Comentários

Um comentário:

Rodrigo Ornellas disse...

BOa noite,

Felipe, d emodo a cria rum reflexão, fiz um post no facebook, e me utilizei de suas palavras: para uma categoria formada em grande parte de profissionais liberais (sem salário fixo), sem piso salarial e carga horária definidos até hoje (cadê o CFP cobrando sua regulamentação?) e que ganham salários algumas vezes miseráveis -------> "Galera, o que vocês tem a dizer sobre esta anuidade acima de R$300 do CFP? - Para uma categoria formada em grande parte de profissionais liberais (sem salário fixo), sem piso salarial e sem carga horária definidos e que ganham salários muitas vezes miseráveis, colocando em pauta também que os 300 e poucos reais equivalem a quase metade do salário mínimo, realmente não tem lógica pagar por tudo isto! Por que não há uma mobilização para tal?"